Namorando há 3 anos

Rep. Instagram Discretas, bem-sucedidas, engajadas e namoradas. Alice Braga, de 36 anos, e Bianca Comparato, de 34, vivem um romance longe dos holofotes há três anos. Algo que só era conhecido pelos amigos do meio e familiares passou a chamar a atenção dos fãs de ambas as atrizes, que muitas vezes celebram com comentários nas raras fotos em que estão juntas com frases do tipo: “Que ... Ela, que está namorando há cerca de três anos com Gabriel Simões, abriu o coração para falar sobre um possível casamento. Para ela, o momento não é o ideal, mas, lá na frente, não ... Marília e Fernando namoram há 3 anos. Durante esse período, estabeleceram um contrato de namoro com objetivos de garantir que, caso houvesse o rompimento desse relacionamento, ambos não seriam prejudicados financeiramente. ... ainda que ja tivessem namorando, não seria partilhado e também deixaram evidente que não seria uma união ... Namorando há seis anos, Sophia Abrão brinca com Sérgio Malheiros: “Ainda não casou” Da Redação. 21/08/2020. Trump planeja voltar à campanha com 1º evento público desde diagnóstico de ... “Três anos da ficada entre ‘amigos’ que não ia dar em nada e hoje a gente tá aqui. Nicholas Arashiro, vamo rir, te amo”, postou ela, que explicou, em seguida, que os dois não estão namorando há três anos. “Não é 3 anos de namoro, rapaziada, é só da brincadeira mesmo de dar uns beijos e achar que não vai dar em nada mas ... Namorando há 3 anos, Paula Fernandes afirma: “Já me sinto casada” Com caras e bocas, Ivete Sangalo agita gravação do “Show da Virada”, em Salvador Paula Fernandes foi uma das principais atrações do especial de fim de ano

Webnamoro que possivelmente poderia ter dado certo

2020.10.18 20:31 marvinpls Webnamoro que possivelmente poderia ter dado certo

Em 2012 conheci uma pessoa, darei o nome de A.
A. devia ter mais ou menos 17 ou 18 anos, e eu, um jovem gafanhoto de 15 ou coisa assim. Conheci a A. numa live de jogos, época que ainda existia a twitcam (quem lembra?), e o "streamer" (nem existia essa profissão na época) falou que tinha uma menina no chat solteira (de brincadeira). Obviamente dezenas de nerds colaram no perfil dela do twitter, e começaram a tentar flertar com ela.
E eu, um moleque nada original, também fui fazer o mesmo. Cara... (kkkkkkkkkk!!!!!!!!) como o tempo passa né? coisa estranha demais lembrar disso. Eu fiquei obcecado pela menina, sei lá. Eu via as paradas que ela postava e o jeito dela, e nunca havia encontrado ninguém assim (claro que não, afinal eu tinha 15 anos e só jogava na internet). Mas até hoje, acho o tipo dela muito diferente das demais (não do tipo "not like the other girls") mas um tipo de garota estranha que fala o mesmo nível de merda que eu naturalmente falo. Pra ser sincero, o meu tipo de garota é justamente alguém mais próximo dela, mas é realmente muito difícil encontrar alguém assim.
Como se não bastasse, a garota era linda demais. Digamos, uma das garotas mais bonitas que já vi (ainda acho isso nos meus atuais 22 anos), e ela morava em outro estado, do tipo muitos estados longes hehehe. Enfim... meu papo de merda deu certo, não lembro exatamente como começou nossa aproximação, mas lembro que eu era o cara que ela ia desabafar por conta de um namoro merda que ela andava tendo (com um tal de C.)
Esse C. era o cara mais chato que já vi na vida. Além de não parecer EM NADA com ela, ele era distante da garota, até onde lembro. Ele investia toda a grana do salário dele em som automotivo (sem meme), e cagava pro namoro.
Ela chorava bastante, e eu ficava horas e horas em chamada com ela por skype conversando sobre bobeiras em geral. O tempo passava, foram mais 2 anos acho nessa brincadeira, até que por um ciúmes bobo ela parou de falar comigo.
Nosso relacionamento era muito baseado no twitter, compartilhávamos e falávamos sobre mutia coisa em comum, e eu claramente estava perdidamente apaixonado pela garota. Numa época aí de fã clubes e não sei quê, algumas garotas de outros estados foram me seguindo também pra trocar ideias (sem maldade), e essas novas amigas fizeram com que a A. se afastasse de mim por achar que eu não quisesse mais ela. Não sei porque, vocês podem me perguntar, eu não fui atrás dela. Sei lá, parecia que eu estava confortável, e tinha achado uma bobeira tão grande dela se afastar, que não achava que fosse tão sério.
Semanas se passaram, e a A. nunca mais falou comigo direito. Tem muito mais coisa, mas realmente não lembro como essa amizade ou webnamoro foi se desfragmentando, pq pensávamos em viagem (com 16 ANOS!!!!! irreal demais, pqp) namorico, etc. Pelo menos eu acho que era, sei lá. Talvez houvesse a chance dela só me considerar um grande amigo, e eu estivesse enviesado como homem de achar que ela realmente era afim de mim. Não sei.
Agora vem a parte engraçada
Eu nunca esqueci seu nome. Meus amigos acabaram virando colegas dela também pq de alguma forma que não lembro, ela chegou a conhecer eles. Então eles acompanham ela nas redes sociais, mas eu não mais. Lembro que eu tinha me afastado a ponto de querer esquecer ela mesmo, e ela o mesmo de mim. Hoje com a cabeça mais madura, teria feito tudo diferente. mas ainda acho webnamoro algo irreal demais.
Basicamente ela está namorando um cara do RJ (já tem um tempão já). Estado na qual eu moro também. Quando descobri isso (por amigos) fiquei de cara. Não fiquei com ciúmes, triste, inveja, nem nada, mas tudo veio novamente na minha cabeça. Caralho, um cara do RJ? Sim, eu pensei no "e se fosse eu??????????".
Eu fiquei abismado por duas coisas: o quanto minha vida mudaria se eu tivesse namorando ela? e se desse tão certo a ponto de eu morar fora? eu ainda falaria com os meus amigos atuais? (que são meus melhores amigos), eu estaria em outra profissão?
Viajei, viajei demais. E o que me faz viajar tanto nessas questões é que não era uma parada extremamente difícil de acontecer. Claramente eram adolescentes decidindo coisas muito importantes e custosas, e que nossas perspectivas de vida iam mudar drasticamente ao chegar nos 20 e poucos anos. Mas digamos que éramos compatíveis em literalmente tudo, sabe? Enfim...
Não sou apaixonado pela garota nem nada, mas é uma história curiosa que penso vez ou outra. As vezes sonho com ela, e eu não sou nada esotérico ou coisa assim, então vocês podem dar as suas explicações mirabolantes que for pra esse tipo de coisa, alma gêmea, coisa assim.
Funfact: uma das paradas mais interessantes nesse rebuliço todo é que ela havia me apresentado uma música que eu não gostava a princípio, mas depois de alguns meses mudou totalmente a forma como me vejo e escutava música. Hoje em dia posso dizer que se ela não tivesse me recomendado aquela banda em 2012, eu estaria escutando mpb ou algo do tipo. Há 8 anos escuto o mesmo "gênero" (mais ou menos na verdade), e fico muito feliz com isso.
E vocês? tem histórias com webnamoro?
submitted by marvinpls to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 06:59 fodaabigos Estou me sentindo mais feio, nojento e triste que o normal

Escrever tudo isso já me fez sentir melhor e mais aliviado, nem leia tudo que provavelmente não valerá seu tempo.
Eu já faço terapia há quase dois anos e estou tomando anti depressivo vai fazer um ano agora.
Dentre alguns problemas que trabalho na minha terapia, existe a dívida dos meus pais (recentemente o banco aceitou um acordo e finalmente quitamos em torno de 1.5 dessa dívida, mas as coisas ainda estão bem complicadas financeiramente e ainda falta mais uns 300k eu imagino.). Isso gera uma cobrança bem grande comigo mesmo pois já tenho 23 anos e nunca trabalhei, estou no meu terceiro curso e finalmente sei o que quero fazer e venho aproveitando a quarentena pra estudar.
Essas são coisas que hoje eu já lido bem melhor, já que grande parte da dívida foi quitada e finalmente possuo um norte para minha vida profissional. Mesmo assim é complicado, vejo minha mãe trabalhando muito pra lidar com a dívida que foi iniciada pelo meu pai, que nem mora mais conosco. Me sinto bem mal em ver ela trabalhando tanto, não só em seu emprego, mas fazendo as tarefas de casa. E isso é um problema pois ela não confia direito em mim e meus irmãos para ajuda-la nessas coisas, nós lavamos louça, limpamos nossos quartos, mas não é o suficiente e não temos muito mais como ajuda-la (vivemos numa casa grande).
Me sinto bem idiota em me preocupar tanto com minha aparência, principalmente pensando na vida dura que minha mãe tem levado e como minha vida foi de longe super priveligiada pensando na realidade brasileira.
Mesmo assim, tem dias que tudo que eu consigo pensar é em como eu odeio minha aparência, e isso suga completamente minha energia no dia, não consigo fazer absolutamente nada produtivo, a não ser me olhar no espelho, tirar selfies com a esperança que meu rosto magicamente seja igual ao do brad pitt e ficar com nojo. Eu já fiz cirurgia no meu nariz, mas ele continua enorme. Fiz cirurgia nas minhas pálpebras, pois uma era mais fechada que a outra, mas mesmo assim meus olhos ainda são desproporcionais, um olho começa antes que o outro. Como já fui bem gordinho quando mais novo, tenho sobra de pele no rosto, coisa que me deixa muito chateado pois só com mais cirurgia eu poderia arrumar isso. Eu tinha lipomastia (basicamente ginecomastia, mas não cheguei a desenvolver um caroço por completo, apenas muito estoque de gordura) que eu cheguei a operar, mas mesmo assim ainda não é perfeito, meio que voltou um pouco.
Tirar fotos para mim é algo bizarro. Selfie com a camera frontal do celular me deixa extremamente mais horroroso do que sou. Tem fotos que saio super bem e sinceramente eu não sei se sou, numa escala de 1 a 10, um 2 ou um 6/7. Em 2018 eu fiquei com uma menina MUITO bonita, bem fora da minha liga, fomos ficando e ficando. Ela se apegou demais muito rápido e lembro que me sentia sufocado, além de sentir que ela não era tão dentro da minha realidade - não tinhamos muito em comum em gostos e etc - e acabei resolvendo terminar as coisas.
Já tive meninas dando em cima de mim, meninas que não eram feias, o que me leva a pensar que talvez não seja tão feio e que muito provavelmente eu tenha sintomas de dismorfia corporal, cujo tenho discutido com minha psicóloga e psiquiatra recentemente.
Por algum motivo eu estou fascinado numa mina que vi no face/insta e fico me sentindo bem chateado por ela ser alguém nivel 8 ou 9 (eu estou falando dessa maneira pra facilitar a compreensão, mas n julgo as pessoas dessa maneira) e eu estar tão longe da liga dela. Tem umas duas semanas que simplesmente não paro de criar cenários entre nós nos conhecendo e namorando. Sei lá me sinto ainda mais patético por isso.
Acho que o negócio é que eu realmente gostaria de ser bonito, ter a facilidade que alguns dos meus amigos tem pra conhecer meninas, ter meninas bonitas dando em cima de mim e poder me expor e me expressar mais livremente. Evito rir porque meu sorriso é feio e odeio me ver falando em vídeo porque minha boca se mexe de uma maneira muito estranha.
submitted by fodaabigos to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 04:51 PolyglotSam Apaixonado por um amigo; Talvez haja reciprocidade, mas o contexto é complexo

Isso também é um desabafo, pq ninguém quer me ouvir dizer, mas eu preciso falar.
Eu (19, M, Bi) sinto que eu estou preso, romanticamente preso. Já cheguei a fazer um post em outro sub, há exatos 1 ano, sobre essa mesma situação, e isso me fez ver q eu tô fudido.
Bom, começando do começo. Eu tenho um amigo, vamos chamar ele de Léo, e ano passado eu e ele estudamos juntos no terceirão. A princípio ele namorava uma menina, e isso me fez acreditar que era impossível existir qualquer lance entre a gente. No entanto, há um ano, eu descobri que ele não é hétero, apesar de estar em um relacionamento hétero, mas sim bi. Isso fez minha cabeça surtar com suposições e idealizações de um possível futuro junto dele. E isso não parou, nem por um momento, ao longo de um ano, mesmo sem convívio diário. Só consigo pensar nele quando eu penso em "amor". Eu me sinto feliz na risada dele. E 99% do tempo eu queria estar no abraço dele.
Ele ainda namora essa menina, que por sinal é bem legal. Por isso, eu me sinto culpado por ainda estar gostando dele. E assim, há algum tempo eu resolvi dizer pra ele como eu me sentia - mesmo sabendo q ele estava comprometido - a fim de tentar me sentir melhor, e ver se só assim eu conseguiria seguir em frente.
O ponto é, eu não quero seguir em frente e esquecer ele. Ele não é super bonito, mas é atraente pra mim. Eu gosto do jeito que ele é quieto, mas quando fala, acerta. Como ele escuta os papos que eu tenho pra falar. Como eu gosto de ouvir e falar o nome dele. Eu me sinto 200% culpado por gostar de uma pessoa que já tem um amor. Mas ainda sim, essa sensação me vicia, a sensação de querer alguém. De estar apaixonado.
Alguns detalhes são importantes: Quando conversei com ele, ele foi super compreensivo, me explicou que ele estava namorando e tudo aquilo, mas em nenhum momento ficou zangado/puto comigo. Eu resolvi perguntar pra ele se, caso não estivesse namorando, a gente rolaria, vulgo se ele tinha interesse em mim. E a resposta foi sim. Isso fez com que eu não desistisse daquela esperança, e, consequentemente, da gente.
Eu não desejo mal à ninguém, e é muito longe de mim desejar o fim do relacionamento alheio, então eu optei só por esperar. E, como é bem raro alguém aparecer na minha vida, fez sentido pra mim. O problema é que eu comecei a analisar que eu só tenho atração por alguém se eu estou apaixonado por ela. Isso impede que eu fique com pessoas aleatórias, pq pra mim não faz sentido. Ou seja, como eu gosto dele, eu acabo sendo o cara que fica sozinho, enquanto ele tá lá, com a namorada. Mas isso não tem nada a ver com ele, até porque eu não falei mais sobre gostar dele depois dessa ultima conversa na qual ele disse q a gente rolaria.
Agora, ele tacou gasolina na fogueira: Em um dia que estávamos jogando, ele flertou comigo, tipo, MESMO. Foi uma piada com conotação sexual direcionada a mim. Quando ouvi aquilo, eu entrei em um mini-pânico e não soube o que responder, mas acabei flertando de volta. Desde então minha mente cria histórias e cenários. E eu to feliz em cada um deles. Inclusive, tentando concretizar esses cenários eu escrevi um conto (muitas páginas, mais do que eu me orgulho em dizer) onde a gente realmente tá junto.
Eu só tô tão triste por estar sozinho, isso faz parecer que eu não mereço ser amado, e ter tudo aquilo que os outros têm. Isso me faz achar que nunca, mas nunca, vou ter alguém do meu lado. Cada chabce que eu podia ter na vida não deu certo por algum motivo. Eu to cansado de sonhar, de ter devaneios com saudade do que eu nunca tive. Eu só queria ele.
TL;DR: Me apaixonei pelo meu amigo bissexual que está num relacionamento hétero; mas que demonstrou ter interesse em mim, mostrando potencialmente um sentimento recíproco. Me invovi romanticamente com uma ideia de futuro e isso me fez ficar preso sozinho com meu coração estando nas mãos de outra pessoa. E, aparentemente, eu não quero seguir em frente.
Opiniões?
submitted by PolyglotSam to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 03:59 PolyglotSam Apaixonado por um amigo; Talvez haja reciprocidade, mas o contexto é complexo

*Copiado de outro post meu em outro sub, mas é relevante aqui também.
Eu (19, M, Bi) sinto que eu estou preso, romanticamente preso. Já cheguei a fazer um post em outro sub, há exatos 1 ano, sobre essa mesma situação, e isso me fez ver q eu tô fudido.
Bom, começando do começo. Eu tenho um amigo, vamos chamar ele de Léo, e ano passado eu e ele estudamos juntos no terceirão. A princípio ele namorava uma menina, e isso me fez acreditar que era impossível existir qualquer lance entre a gente. No entanto, há um ano, eu descobri que ele não é hétero, apesar de estar em um relacionamento hétero, mas sim bi. Isso fez minha cabeça surtar com suposições e idealizações de um possível futuro junto dele. E isso não parou, nem por um momento, ao longo de um ano, mesmo sem convívio diário. Só consigo pensar nele quando eu penso em "amor". Eu me sinto feliz na risada dele. E 99% do tempo eu queria estar no abraço dele.
Ele ainda namora essa menina, que por sinal é bem legal. Por isso, eu me sinto culpado por ainda estar gostando dele. E assim, há algum tempo eu resolvi dizer pra ele como eu me sentia - mesmo sabendo q ele estava comprometido - a fim de tentar me sentir melhor, e ver se só assim eu conseguiria seguir em frente.
O ponto é, eu não quero seguir em frente e esquecer ele. Ele não é super bonito, mas é atraente pra mim. Eu gosto do jeito que ele é quieto, mas quando fala, acerta. Como ele escuta os papos que eu tenho pra falar. Como eu gosto de ouvir e falar o nome dele. Eu me sinto 200% culpado por gostar de uma pessoa que já tem um amor. Mas ainda sim, essa sensação me vicia, a sensação de querer alguém. De estar apaixonado.
Alguns detalhes são importantes: Quando conversei com ele, ele foi super compreensivo, me explicou que ele estava namorando e tudo aquilo, mas em nenhum momento ficou zangado/puto comigo. Eu resolvi perguntar pra ele se, caso não estivesse namorando, a gente rolaria, vulgo se ele tinha interesse em mim. E a resposta foi sim. Isso fez com que eu não desistisse daquela esperança, e, consequentemente, da gente.
Eu não desejo mal à ninguém, e é muito longe de mim desejar o fim do relacionamento alheio, então eu optei só por esperar. E, como é bem raro alguém aparecer na minha vida, fez sentido pra mim. O problema é que eu comecei a analisar que eu só tenho atração por alguém se eu estou apaixonado por ela. Isso impede que eu fique com pessoas aleatórias, pq pra mim não faz sentido. Ou seja, como eu gosto dele, eu acabo sendo o cara que fica sozinho, enquanto ele tá lá, com a namorada. Mas isso não tem nada a ver com ele, até porque eu não falei mais sobre gostar dele depois dessa ultima conversa na qual ele disse q a gente rolaria.
Agora, ele tacou gasolina na fogueira: Em um dia que estávamos jogando, ele flertou comigo, tipo, MESMO. Foi uma piada com conotação sexual direcionada a mim. Quando ouvi aquilo, eu entrei em um mini-pânico e não soube o que responder, mas acabei flertando de volta. Desde então minha mente cria histórias e cenários. E eu to feliz em cada um deles. Inclusive, tentando concretizar esses cenários eu escrevi um conto (muitas páginas, mais do que eu me orgulho em dizer) onde a gente realmente tá junto.
Eu só tô tão triste por estar sozinho, isso faz parecer que eu não mereço ser amado, e ter tudo aquilo que os outros têm. Isso me faz achar que nunca, mas nunca, vou ter alguém do meu lado. Cada chabce que eu podia ter na vida não deu certo por algum motivo. Eu to cansado de sonhar, de ter devaneios com saudade do que eu nunca tive. Eu só queria ele.
TL;DR: Me apaixonei pelo meu amigo bissexual que está num relacionamento hétero; mas que demonstrou ter interesse em mim, mostrando potencialmente um sentimento recíproco. Me invovi romanticamente com uma ideia de futuro e isso me fez ficar preso sozinho com meu coração estando nas mãos de outra pessoa. E, aparentemente, eu não quero seguir em frente.
Opiniões?
submitted by PolyglotSam to arco_iris [link] [comments]


2020.09.30 23:15 girl_exe_ Carente/doida. Se divirta

Há muito tempo que eu não ia em um dentista. Por isso, nem lembrava como era e tinha pavor. Ok, 4 fucking sisos cresceram e começaram a dar problema. Marquei consulta aqui no bairro. Estou no consultório, chega um "doutor" bem novinho, que eu não dei nada a princípio (julguei)
Sério, eu só pensei: esse jovem não vai ter a mestria necessária pra tirar esse dente direito, minimamente sem dor. Eu já sabia que ele era o cirurgião da clínica.
Sou chamada e já falo: tenho medo de dentista e tô um pouco nervosa, doc. Ele olha pra mim, olha minha radiografia e fala: tá facinho pra tirar.
Wow. Já mudei um pouco minha percepção, pensei: esse se garante. Ali ele me deu confiança, e o que era pra ser só uma avaliação já virou uma extração.
Ele começou com uma anestesia em spray, pra depois vir com agulhadas. Depois desse spray, nao senti mais nada, nem as agulhas. Já fiquei felizona, agradecendo à ciência e as mãos de fada daquele homem.
O auge foi quando ele realmente foi extrair o dente. Para extrair, eles usam uma pinça, seguram o dente com força e fazem pressão ao mesmo tempo que mexem o dente até ele ficar mole e sair. É na força bruta mesmo. Porém, sem dor, só pressão.
Eu me apaixonei. Eu estava absolutamente sem dor, só sentindo a pressão que ele estava aplicando na medida perfeita em mim, sentindo isso no ápice, pq cada mexida penetrava minha cabeça e meu ser. Estava delicioso. Naquela hora pensei: caralho, eu sou muito estranha.
Cada toque dele no meu rosto era delicioso.
Ele extraiu, depois deu pontos. Sem dor de novo. Cara, eu xonei nesse homem. A habilidade, inteligência e mestria dele me deixaram louca. Stalkeei ele no Instagram, e ele tem 22 fucking anos e já sai por aí fazendo cirurgias perfeitas. Eu tenho 23. Mano, ele é mais novo que eu. Me apaixonei de novo.
Infelizmente não posso seguir no Instagram e demonstrar minhas intenções pq ainda vou tirar mais dois dentes com ele. Também, a posição do paciente eh meio humilhante naquela hora: boca aberta sangrante e touquinha de tia do salgado. Não acho que foi muito agradável aos olhos, preciso que ele esqueça essa imagem primeiro pra depois eu adicionar. E claro, depois de tirar mais dois dentes.
Já me imagino namorando com ele e confessando tudo isso, dizendo que quero ver o que aquelas mãos podem fazer em outros lugares.
Vitinho, seu gostoso. Me aguarde.
submitted by girl_exe_ to desabafos [link] [comments]


2020.09.27 08:56 throwwitbackaway Tratei alguém como gostaria de ser tratada e me lasquei

Há uns 2 anos tive um relacionamento bem traumatizante, fui webtraida (isso existe?) com uma garota que meu ex conheceu em uma viagem de igreja.
Foi bem difícil recuperar a confiança nas pessoas, relapsei no meu transtorno alimentar (perdi 10 quilos) e questionei todo o meu valor por meses, até conhecer meu atual namorado, um cara maravilhoso e que me trata muito bem.
Quando aconteceu isso tudo, muitas pessoas conhecidas na viagem souberam o que aconteceu e decidiram não me contar, sabe se lá porque, mas jurei que avisaria caso visse algo similar acontecendo.
Só que recentemente, dando scroll no meu tiktok um vídeo de um casal apareceu e eu reconheci a menina, que é da minha cidade, com o webnamorado dela. Fiquei ok e segui a vida.
Porém hoje minha melhor amiga foi em uma festa de um grupo de amigos dela e a moça do vídeo estava lá, deu em cima dela e de outras pessoas, pedindo pra ficar, inclusive falou que não tava mais namorando o dito cujo. Quando minha amiga contou isso fui conferir o perfil do garoto e tava tudo lá, as fotos e até o nome dela na bio.
Pensei pensei e decidi avisar, pelo menos tentar.
Mandei todas as provas pro garoto, o relato da minha amiga e de mais outras pessoas e quem disse que ele acreditou? Ele ficou com muita raiva, disse que eu tava mentindo por "inveja" e falou que acredita na namorada com a vida.
Não me arrependo de ter falado, mas cara como é difícil tentar ser uma pessoa decente. Fico pensando se eu reagiria da mesma forma na época que me aconteceu ou acreditaria na pessoa.
submitted by throwwitbackaway to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 06:06 britojp QUANDO EU ACHO QUE ELE VAI PARAR, ELE CONTINUA

É isso, meu pai tá cada vez mais insuportável, ninguém aguenta, chega uma da manhã do bar mandando eu dormir, sendo que dormindo 2 da manhã, eu acordo cedo, e ele ainda acorda falando que eu não faço nada e já mandando eu encher as garrafas d'água, ainda xinga a gente todo dia, dps que eu olhei no app da carteira de trânsito e falei pra minha mãe que tinham duas multas na mesma avenida, ela falou pra ele e ele ficou bravo e falou que é porque ela sai pra bater perna e pra ficar namorando, sendo que é pra usar o banco 24 horas da padaria, e aquela avenida também tem lugar pra comer e outras agências, ela vai lá todo dia, sendo que quem traiu ela com mulher do bar foi ele, Jean, amigo da minha mãe da academia, chamou ela no portão pra eles irem. A noite ele já reclamou, sendo que o coitado é gay e ainda tá na faculdade, minha mãe tem 48 anos. Hoje mesmo, vou falar em frases pra resumir rápido, tava com o telefone da minha mãe e fui olhar a fatura do cartão no celular pq ela pediu, e tava lá a fatura vencida há 10 dias, e como ela não me escutou e investiu de forma errada o dinheiro que ela tinha, pediu dinheiro emprestado pra pagar a fatura amanhã, sendo que era só ele sacar e dar pra ela ou ir fazer uma transferência, SÓ. Aí dps ele começou a gritar feito um animal, empurrou minha mãe, e bateu a porta da marcenaria, o Loro, meu irmão, até voou do ombro da minha mãe (é um papagaio), isso gritando que ia fuder ele, que ia sujar o nome dele, sendo que sacar dinheiro ou transferir não suja nome, qualquer pessoa com senso sabe disso. Dps minha mãe fez eu ir com ele transferir pra conta dela, o banco do posto perto de casa não tá funcionando, o do outro posto tá dando "limite de saque excedido", dps a gente foi no shopping tentar lá, e pouca gente sabe mas a tela dos bancos 24 horas já é protegida contra isso, eu fiquei do lado dele, meio atrás, e a tela tava toda embaçada, e mesmo assim ele: "DÁ LICENÇA", aquela hora me deu vontade de ir no restaurante do shopping, pegar uma faca, e matar ele na frente de todo mundo, e semana passada eu fui com a minha vizinha no banco do posto pra sacar o auxílio dela, e um cara que tava atrás da gente, perguntou se eu ajudava ele a sacar pq ele não sabia, parecia ter menos de 25 anos, e eu ajudei normalmente, ele não ligou de eu estar na frente dele o ajudando, e ainda ele mesmo, me deu a senha pra colocar no caixa, um cara que nunca me viu na vida confiou mais em mim do que o desgraçado que diz ser meu pai, e ele já fez isso no mercado, deu uma olhada pra trás normalmente e minha cabeça voltou, dps no carro indo embora ele falou que eu tava olhando a senha do cartão dele, isso faz 2 anos, eu nem sabia passar cartão, só ajudava minha mãe a entrar no app do banco, nem isso eu sabia fazer direito ainda, e tudo é assim, briga sempre por causa de dinheiro ou quando minha mãe sai. Eles separaram faz de 6 a 8 meses, e aquele corno fala que vai sair de casa e não sai, ninguém mais aguenta ele, não vou mentir não, minha mãe não é 100% perfeita mas eu amo ela.
Se alguém quiser saber (oq eu duvido), eu sou homem, 13, minha mãe tem 48, e meu pai 55 anos. (Escrevi "pau" sem querer e o corretor corrigiu pra "pai", Graças a Deus). E desculpa pela história longa.
submitted by britojp to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 05:24 anon_jvitor Faz quase 1 ano

Lembro como se fosse hoje, quando você confessou estar apaixonada por mim, debaixo daquela árvore, naquela tarde ensolarada. Eu também tinha sentimentos por você, mas achava que era só uma paixonite, e que eu não poderia ceder a isso. Eu estava namorando e não achei correto abrir mão do certo pelo duvidoso. Já conhecia minha namorada há anos, e você eu conhecia há apenas poucos meses. Continuamos amigos, e hoje faz quase 1 ano desde que comemoramos juntos nossos aniversários. Desde então, todos os dias eu pensei naquela noite. Tudo foi tão especial, simplesmente porque você estava lá! Sua voz, seu jeito de andar, seu sorriso, suas piadas sem graça, tudo em você me cativou. Acho que nunca mais sentirei isso com ninguém. Até hoje, eu vou naquele restaurante, onde jantamos juntos depois do trabalho, como amigos que éramos, mesmo sabendo dos sentimentos que um tinha pelo outro, e faço aquela mesma trajetória que fizemos quando fomos embora. Fico imaginando que você está lá comigo. Eu não deveria me sentir assim, eu ainda sou comprometido, mas não consigo evitar. Só queria esquecer você, e voltar a ser feliz com o que tenho, mas não consigo. Ah, como eu queria passar a mão naquelas suas coxas grossas, lhe agarrar pela cintura, sentir o seu calor no meu corpo e a sua respiração em mim! Eu sei que sou errado em pensar assim! O que eu faço para te esquecer, N? Eu daria tudo para ouvir a sua voz novamente!
submitted by anon_jvitor to desabafos [link] [comments]


2020.09.19 21:37 niallwhore Meu ex namorado estragou tudo e esse foi o maior favor que ele já me fez!

Segura que lá vem o textão com meu relato e uma mensagenzinha motivacional pra quem ta sofrendo por quem não te merece. :}
Esse ano eu conheci um rapaz por quem me apaixonei muito. A gente namorou por 5 meses e tivemos um relacionamento extremamente abusivo: ele me acusava constantemente de traição, não queria passar os finais de semana comigo, me agredia verbalmente, era obcecado com instagram e vivia brigando comigo por coisas fúteis relacionadas a redes sociais, não deixava eu ter amigos, não me avisava com antecedência quando ele ia sair pra visitar a amiga dele, sempre brigava comigo, ficava bravo quando eu comprava coisas pra mim, colocava palavras na minha boca, não confiava em mim nunca, ficou do lado do cara que me abusou psicologica e fisicamente - ao invés de acreditar em mim, ele ficava jogando essa história na minha cara como se eu tivesse culpa, além de tudo ele tinha CIÚMES do cara que me abusou. Enfim, comi o pão que o diabo amassou.
Foram 5 meses levando porrada, até que um dia ele desistiu de mim e terminou comigo. A justificativa dele era que eu ficaria melhor sem ele - ao invés de tentar trabalhar as coisas que estavam ruins, ele decidiu fugir. Ele terminou comigo umas 10 vezes enquanto a gente namorava e depois voltava atrás, mas essa última vez eu fui forte, peguei as palavras dele, aceitei o término e não voltei atrás.
Lidar com esse término tem sido extremamente difícil, porque eu ainda o amo demais, eu sinto falta dele todos os dias. Porém, desde que ele terminou comigo eu me apeguei aos meus amigos que se importam comigo, me reaproximei dessas pessoas e aprendi a ser um bom amigo novamente e estar ali pra eles.
Perder o direito de ter amigos quando eu namorei me fez valorizar muito mais as minhas amizades. É muito ruim e assustador não ter ninguém.
Estou passando por maus bocados, mas eu fico muito feliz de ver que não estou sozinho, sabe? De ter meus amigos e minha mãe me apoiando e me fazendo sentir como uma pessoa boa novamente (porque quando eu namorava ele fazia acusações tão graves sobre mim que saí me sentindo o pior monstro do mundo).
É bom demais desabafar com as pessoas próximas e não ouvir como resposta um “fica tranquilo que vai dar tudo certo” ou não me culparem por estar me sentindo mal e brigarem comigo igual meu ex fazia.
Eu estou podendo jogar videogame de novo, e não fico mais triste de passar os domingos sozinho, porque afinal eu estou solteiro, e ta tudo bem. Além de tudo, todo o espaço vazio que o fim do relacionamento deixou, eu estou usando para desenvolver projetos pessoais e profissionais, inclusive tenho uma amiga que ta me apoiando e me inspirando muito a explorar cada vez mais os meus potenciais.
Meu ex se arrependeu muito de ter terminado comigo e deixou claro várias vezes que faria de tudo pra me recuperar. Ele me disse que mudou, que se voltássemos a namorar tudo seria diferente, etc. Por mais atrativo que isso fosse, porque eu ainda o amava (e ainda o amo), eu fui forte e sempre tentava lembrar de tudo que eu fui forçado a deixar de lado porque ele mandou. Sem contar que o fato de ele ter me culpabilizado e me feito lembrar tantas vezes do abuso que sofri foi algo que eu não consegui perdoar.
Enfim, as semanas foram passando e depois de tantos surtos, indiretas injustas sobre mim que ele ficava postando nas redes sociais, entre outras coisas como o fato de ele ter ido brigar com uma amiga minha porque ela deu unfollow nele no instagram e de ele ter seguido um conhecido meu e dado block nele em sequência, as coisas foram acalmando um pouco. Ele parecia realmente estar mudando, e obvio que isso mexeu com meu coraçãozin de gado.
Embora não tivesse sido o bastante pra eu voltar pra ele, foi algo que me fez não querer afastar e tirar ele da minha vida. Eu deixei uma janelinha aberta pra ele entrar, caso se comportasse. E depois de vários dias que a gente estava se dando bem, eu decidi que iria acompanhar ele em um exame que ele ia fazer e ele falou que queria que eu fosse junto.
Eu fui acompanhá-lo e na hora de ir embora, ele disse que queria voltar pra mim e tal. Então eu conversei com ele durante horas com a maior honestidade sobre tudo que eu tava sentindo, e eu concluí a conversa dizendo a ele que se eu realmente sou o amor da vida dele e se ele realmente estivesse mudando, o tempo eventualmente iria mostrar e a gente iria acabar ficando juntos se fosse para ser. Ele disse que estava disposto a deixar o tempo mostrar que ele estava falando a verdade, então embora a gente não tenha decidido se afastar de vez nem voltar, a possibilidade tava ali no ar caso ele quisesse agarrar.
A conversa foi na quarta-feira. Quinta-feira eu segui no instagram um amigo de longa data com quem eu havia perdido contato. Em um plot twist bizarro, meu ex uma duas horas depois desse follow veio querer tirar satisfação comigo referente a este amigo que eu segui. Sendo que a gente tinha conversado sobre como esse tipo de comportamento dele era nocivo um dia antes.
Mano, eu fiquei puto com ele e me permiti surtar e falar o quanto que ele foi invasivo e o quanto essa situação foi fodida. Eu fiquei tão irritado com o que ele fez que não queria mais falar com ele. Ele me ligou algumas vezes durante a madrugada e mandou inúmeras mensagens implorando pelo perdão. Mas eu precisava ficar sozinho pra processar tudo aquilo.
É, galera, quando a gente ta apaixonado a gente é trouxa o bastante pra se decepcionar com a pessoa mesmo ela ja tendo vacilado com você inúmeras vezes antes.
Beleza né, no dia seguinte descubro que ele seguiu outro amigo meu com quem não tenho mais contato no instagram (e meu ex morria de ciúmes desse menino, porque nós já fomos muito próximos como amigos e tinha algumas fotos com ele no meu instagram). Além de ele ter dado follow no menino, eles trocaram vários likes em fotos. Eu vi aquilo e decidi que iria retirar meu ex das minhas redes sociais, eu chorei muito muito mesmo, mas beleza.
Menos de uma hora depois meu ex começou a me ligar de novo e implorar pra eu conversar com ele, porque ele não iria aguentar me perder e que precisava de mim. Eu primeiro tive que mandar uma foto minha chorando pra ver se ele acordava pra vida de que ele foi longe demais e depois fui bem grosseiro ao pedir para ele me deixar quieto. Ele disse que iria me deixar quieto, mas implorou pra eu não sumir de vez e encerrou com um “te amo, até”.
Depois dessa conversa fui conversar com esse meu amigo que ele seguiu no instagram, e o meu amigo disse que tinha conversado com meu ex pra tirar essa história a limpo (pra ver se ele ainda tava namorando comigo e tals) e meu amigo falou que meu ex disse que já tínhamos terminado e ele não queria mais ter nada a ver comigo. Além disso, meu ex falou sobre mim com deboche pra ele, como se o relacionamento tivesse dado errado e acabado por minha culpa.
Bom, gente, eu tinha tudo pra ficar arrasado com isso tudo, porque uns minutos antes o menino tava implorando por mim enquanto ele dava em cima de alguém que eu conheço e já fez parte da minha vida. Ele me acusou de traição durante 5 meses, e quem se provou um grande mentiroso e um traidor do mais baixo nível foi ele. Ontem eu finalmente entendi que ele tentava constantemente me diminuir e dizer que eu sou péssima pessoa, porque na verdade era ele quem fazia tudo isso e ele só estava projetando essas coisas em mim.
No final das contas, embora eu esteja muito triste, eu estou muito grato por ele ter estragado tudo e ter mostrado quem ele realmente é. Imaginem que merda se eu tivesse acreditado nele e voltado pra ele? Fico imaginando quantos chifres que eu levei durante esse relacionamento e fico muito feliz que todo esse abuso acabou.
Eu não estou contente, mas eu estou extremamente satisfeito que estou aprendendo a viver minha vida sem ele e me recuperando de um monte de merdas que aconteceram na minha vida (até antes mesmo de eu ter conhecido ele) ao lado dos amigos que se importam comigo e da minha família. Estou extremamente carente, mas eu nunca vou me submeter a voltar com alguém que me traiu dessa forma e ter esse conhecimento é tudo de bom, é libertador saber que quem mais apontou pra mim é a pessoa que mais fez as cagadas que falava que eu fazia.
Tudo isso pra eu dizer, meus amigos, que tudo bem sofrer por amor. Sua vida vale muito mais que um relacionamento abusivo ou alguém que te ilude. Se você ta malzão ou malzona porque seu amor te maltrata, te humilha, trai ou mente pra você, aprenda a se amar em primeiro lugar porque você tem potencial de fazer coisas incríveis! Onde há vida, há potencial.
Se você ta se sentindo sozinho se apegue aos seus amigos, se não tem amigos se apegue a sua família. Vai conhecer gente nova, às vezes perder uma pessoa nos faz sentir que estamos perdendo o nosso mundo, mas nós ainda teremos um universo inteiro para explorar.
submitted by niallwhore to desabafos [link] [comments]


2020.09.17 00:49 Sissigny eu ainda não acredito que isso aconteceu

oi gente. eu vim aqui falar sobre uma coisa que me aterrorizou muito, e no momento, não tenho com quem falar a respeito, mesmo namorando e tendo alguns amigos. a questão é que não é algo tão simples assim, e sinceramente, me sinto enojada só de pensar... tenho medo da reação do meu namorado e dos meus amigos, então achei melhor vir falar aqui, onde ninguém sabe quem sou nem conhece a pessoa envolvida na história. tô escrevendo esse parágrafo pra também servir como alerta de gatilho, então se você fica mal lendo alguma coisa relacionada a abuso sexual, por favor, não leia o meu post. se quiserem que eu apague posteriormente, só me avisar que apago o mais rápido possível.
na madrugada dessa segunda-feira, por volta das 01h30 da manhã, eu ouço uns barulhos na minha porta, como se algo suave estivesse roçando na madeira (pra servir de contexto, eu já estava deitada, as luzes do meu quarto estavam apagadas e a porta trancada na chave). tenho 4 gatos e um deles tem o costume de dormir na minha cama, então mesmo sabendo que ele ia me acordar mais tarde pra que eu pudesse abrir a porta pra ele, acabei me levantando. fui destrancar a porta e quando abri, em vez de ver o meu gato, vejo o meu pai dando meia volta e indo embora. eu levei o meu celular junto comigo e a lanterna estava ligada, e ele, sabendo que não tinha mais escapatória, falou pra mim: "desculpa filha, o pai se confundiu aqui..." e começou a fugir do assunto. ele falou mais algumas coisas, e eu só acenei com a cabeça e me tranquei de novo. (mais contexto: meu quarto fica em frente à varanda daqui de casa, que é conjugada ao quarto do meu pai. arquitetura bugada? sim, com certeza, mas espero que tenha dado pra entender)
meu pai tem seus 70 anos e já se mostrou com uma sanidade meio questionável, mas nada que servisse como desculpa por que ele tentou fazer... mesmo ele não tendo conseguido fazer nada comigo, eu me senti horrível. nem estava com tanto sono na hora, mas me forcei a dormir pra tentar esquecer o que tinha acontecido. eu simplesmente não conseguia acreditar que o meu próprio pai estava mexendo na minha porta daquela forma... gente... eu não sei nem o que dizer, nem o que pensar. eu não consigo nem chorar porque o choque ainda não passou, e eu só quero ficar longe, longe, longe dele.
pode ser que alguém pense que ele tenha realmente se confundido ou usou a porta como apoio pra andar (tendo em vista a idade dele), e eu venho aqui dizer que isso é impossível. vou listar aqui um dos motivos:
  1. eu já o peguei olhando pra mim de maneiras que um pai não deve olhar para a sua própria filha, SANGUE DO SEU SANGUE.
  2. não faz nem sentido ele se confundir, e eu vou demonstrar isso só pelo desenho que fiz da planta daqui de casa. reparem no degrau e em tudo... (https://imgur.com/a/ofsSvjF)
  3. uma tia paterna já contou que meu pai estuprou minha prima (filha desta tia) quando ela era pequena. além desse relato, tem o de uma antiga vizinha que dizia que meu pai a assediava fazendo comentários e mandando cartas com esse mesmo teor. eu não duvido de nenhuma delas.
contei tudo isso para minha mãe e ela já trocou de quartos com ele. (minha mãe está se planejando para pedir um divórcio, e ambos não dormem juntos há mais de 3 anos. ela ficava no cômodo que aparece como cinza na imagem que anexei). sinceramente, me sinto mais segura, mas mesmo assim... eu só queria ter uma família normal, saudável, com um pai de verdade, que me protegesse, e não esse monstro...
enfim, se você leu até aqui, muito obrigada. eu só precisava tirar isso do meu peito um pouco...
submitted by Sissigny to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 08:18 Krahmukoslovisk Término, mestrado e mudança de vida

Ano passado me formei em veterinária e próximo ao fim do curso tive episódios de depressão e ansiedade por conta de dois professores que fizeram questão de me atormentar a paciência. Na época estava namorando e isso afetou muito minha relação, porém seguimos o namoro. Tivemos vários momentos de "vai e volta" primeiro por que estávamos morando muito longe um do outro (ela em Curitiba e eu interior do espírito santo) e segundo porque não tínhamos grana pra nos vermos . Ela estava em final de faculdade também, os pais dela não ajudavam em quase nada e acabei me endividando pra ajudar ela a pagar alguns cursos. Com a pandemia tudo ficou pior, eu trabalhava em um consultório, onde aparecia paciente 1 vez por semana as vezes nem isso, quando chegavam reclamavam do valor da consulta e exames ( 50 conto de hemograma e 90 de consulta) estava me sentindo o Julius de todo mundo odeia o Chris, tava pagando pra trabalhar no meu primeiro prego fixo. As coisas foram piorando no namoro até que decidimos terminar, há uns 2 meses, e ao mesmo tempo passei no mestrado em uma universidade particular, consegui um emprego descente, estou morando sozinho. Estou estagiando no hospital em horário comercial, assisto aulas a noite e pego plantões todo fim de semana para não me sentir sozinho e com saudades da ex (que aliás ainda amo). Meus amigos das antigas estão com suas vidas encaminhadas e fazendo planos e marcando roles, meus colegas daqui não me chamam pra assitir um filme se quer. E estou com medo de voltar aos tempos sombrios. Obrigado por lerem até aqui, se é que tem alguém que leu. Precisava falar pra alguém.
submitted by Krahmukoslovisk to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 03:19 cnt_d_jgr_fr Uma ajuda aqui, /r/ desabafos.

Já pensei em fazer este tipo de post várias vezes antes, nunca seguia em frente, dessa vez decidi publicar. Já moí e remoí inúmeras vezes como começar, e escolhi esse jeito que foi diferente de todos os outros que pensei. Desculpem, eu escrevo muito, e não sei se vocês irão ter paciência de ler tudo. Se sim, obrigado;
É difícil saber onde começar, mas provavelmente deve ser pelo mal raiz: A depressão. Eu convivo com ela e a ansiedade já fazem anos e anos. Eu desde criança fui alegre, esperto, inteligente, (bem acima dos demais ao meu redor, que me cedia elogios de todas as partes) mas no geral, normal como qualquer um. Eu não sei se vou conseguir descrever todo o processo, mas a partir do final da adolescência se não me engano isso começou. No começo meus pais não ligaram muito e nem eu, mas com o tempo, foi piorando. Fui perdendo o gosto por coisas que sempre gostei, não tinha mais graça jogar video game que desde criança eu o fiz (e hoje em dia tenho inglês de nível avançado que aprendi como auto-didata) ou assistir alguma coisa de comédia, seja de qual tipo fosse. Hoje em dia é raro. Eu deixei passar e ela nunca ficou tão ruim, achei que não iria piorar, agora ela tomou conta de uma maneira que eu não consigo sentir. Eu acordo, levanto, como, sigo o meu dia, mas pareço um robô na maioria das vezes.
Existem circunstâncias que pioraram, eu sempre fui o risonho que fazia piadas e gracinhas, mas desde cedo tive a visão eu sabia que caso o palhaço saísse de cena o show iria acabar, e assim foi. Minha família sempre foi normal pra todos, mas entre 4 paredes ninguém sabia o que se passava, desde criança meu pai bebia, e isso causava brigas, xingamentos, até agressão acontecia. Acabou minha época de se palhaço quando a depressão piorou e a família agora tá pior que nunca. Minha mãe seguiu sempre com ele, acabavam as coisas ruins e tudo voltava ao normal. Ele nunca teve muita força emocional, quando acabava o dinheiro, ou aparecia uma dificuldade, queria afogar tudo no álcool. Minha família também nunca foi de sair, e eu sempre gostei de ler, de exercitar a mente de tudo que é jeito, e não saí ou fiz amigos quando me mudei. Cada um tem seus hobbies, eu sempre escutei isso e achei que apesar de ruim não era tão debilitante. Porém os anos passaram, passaram, passaram, hoje no meio de tantas crises (como a de 2008 por exemplo) meu pai já não tem mais emprego, e com todas as coisas que aconteceram voltou a beber. Problemas, dívidas, brigas, polícia, mais brigas, mais dificuldades, e tivemos que nos mudar pra uma cidade pobre e pequena. Minha mãe pensou que iria melhorar a nossa situação, resultado: Não melhorou.
Eu não tenho emprego (e duvido que encontraria alguém que me cedesse uma vaga, pra ter que toda hora tirar licença por causa de ansiedade) e os tratamentos que fiz nunca deram certo (só me deixaram pior) o que não é surpresa já que nunca morei em uma casa com uma família "normal" tem anos e meu stress está absurdamente alto. Não me dou bem com ele mas ainda convivemos todos juntos vivendo às custas do mesmo. Ele sabe que tem que nos ter perto pois a família mesmo não quer ele na casa deles. Minha mãe tbm n tem condições de trabalhar, meu pai voltou com a bebida e só deu uma trégua porque tem medo da pandemia mas ainda assim tem os dias de desespero dele que acha que se encher de álcool vai fazer os problemas sumirem, mas não sumiram e trouxeram um outro: Uma úlcera forte que é outro motivo pra ele beber e tentar mascarar a dor enorme e que recusa a tratar no médico mesmo com meu tio e tias querendo ajudar.
No presente, estou com 29 anos, nunca tive uma namorada, uma companheira, alguém pra dar e receber suporte nos momentos bons e ruins, isso porque sempre tive vergonha e achei que podeira acontecer como nos desenhos ou na TV e ter alguma que acabasse se declarando pra mim e não me fazer passar por isso. Nunca aconteceu. As pessoas dizem que ser BV e/ou Virgem são coisas impostas pela sociedade e não nos devemos se sentir mal por isso, mas a solidão dói. Dói muito. À noite é horrível, HORRÍVEL. Nem pra ser como uma dessas pessoas que arranjam uma mulher burra ou que também só tem interesse em um relacionamento rápido pra não ficar sozinha eu tenho sorte, parece que é uma opção inexistente e isso me deixa em um desolamento enorme. Sempre me achei feio ou estranho, fiz uma auto-reflexão e vi que não sou, e que existem casos piores, mas ainda assim todos ao meu redor estão conseguindo alguém, casando ou namorando ou movendo a vida pra frente.
Recentemente comecei o noFap porque vi vários benefícios que todos que tentam reportam. Após alguns dias tive um dos primeiros benefícios e senti mais disposição, mais confiança, só de sair na rua por causa de um compromisso consegui atenção de uma vizinha que morava aqqui por perto sendo que ela só me cumprimentava casualmente. Um dia depois e seguinte, voltou uma depressão, mais forte, sem vontade de fazer nada, sem apetite, e nenhum dos benefícios continuaram. Pretendo seguir mais, só que vai ser difícil porque minha cabeça tá MUITO mal.
Enquanto tava digitando esse post, no dia que pensei em mandar e não mandei, tava tão desesperado que tive pensamentos de acabar com tudo. As outras vezes que tive isso estava em situações ruins também em todos os lados. Pra piorar agora tem essa pandemia: Mesmo que melhorasse da D + A, não há empregos. Mesmo se quisesse ir pra algum lugar, há o risco. Estamos sobrevivendo da aposentadoria e de auxílio, e o dinheiro está acabando além do fato de que os problemas alimentam uns aos outros. Minha época de maior disposição física e maior apetite pra relacionamentos passou, e o tempo continuou correndo vertiginosamente. Queria perguntar à vocês o que eu poderia fazer pra tentar sair dessa, porque dessa vez tá muito difícil. Posso responder mais perguntas caso tenham alguma.
submitted by cnt_d_jgr_fr to desabafos [link] [comments]


2020.09.09 04:41 kriskastro Cada vez mais quebrado e tentando juntar os cacos

Gente, já li de tudo por aqui e adoro os temas sobre relacionamento. Dessa vez chegou a minha vez de desabafar. : PS: Sorry pelo textão, mas é que eu preciso externar um pouco de tudo pra ver se me serve de alguma coisa.
Já não sou mais um adolescente, mas também não chego a ser já um adulto de meia idade; mas tá perto rs. Tenho 27 anos, já beirando os 28. Nunca engatei definitivamente em um relacionamento sério e nem sei se sou preparado para isso efetivamente, serio mesmo. Minha família é meio fudi* sobre relacionamentos. Pais separados, confusões aqui e ali e até pelo que pude perceber sobre os que estão além dos meus pais, digo tios e tias, a situação não é muito animadora ou exemplar. Enfim, sinto até que de alguma forma por não ter bons exemplos ou referências em casa isso de alguma forma pode ter me afetado, me travado, ou até mesmo me ter deixado com um certo nível de ansiedade/panico. Sei lá. Moro com a minha mãe ainda e meu irmão mais novo.
Sou uma pessoa que simplesmente não sai e resolveu viver isolado na sua própria bolha; diria até que com poucos amigos próximos, digamos assim... (sabe daqueles que você pode literalmente contar com eles para o que der e vier? Pois é.). Já sou formado, pago as próprias contas, ajudo até de certa forma a segurar ainda a estrutura financeira abalada em casa. SIM, meu pai era o provedor do dinheiro como toda "família tradicional" brasileira; mas hoje me dia minha mãe já tem a fonte de renda dela que se complementa com a minha. E meu pai acho que ainda ajuda só por conta do meu irmão mais novo mesmo.
Enfim, sinto que o tempo vai passando e passando e a maneira como eu vivo hoje me incomoda. Não quero ter esse papel de "pai provedor" da família que eu ainda não tive, se é que me entendem. Sinto que preciso mudar e sair dessa zona de (des)conforto, mas ao mesmo tempo vivo um dilema entre a responsabilidade para com aqueles que estão comigo e a vontade de construir algo meu, a minha própria história. Agora assim, sair de casa pra (sobre)viver e ficar a ver navios é foda, até pq a vida sozinho é bad trip total. Nessa parte, já quero introduzir o tema o relacionamento que até então são inexistentes; penso que de alguma forma quando você tem alguém que vale a pena você lutar para que as coisas deem certo, e obviamente a pessoa também queira, de alguma forma os dois conseguem encontrar alguma felicidade em meio a tudo, mesmo diante das dificuldades.
Mas vamos lá que já estou é divagando aqui. Sobre relacionamentos: sou uma pessoa extramente fechada. Não saio. Como disse, sou de poucos ou quase nenhum amigo próximo. Não considero conhecidos ou colegas de trabalho como alguém que se pode contar muito, sabe. Obviamente pra não pirar da batatinha, pelo menos cresci aderindo ao hobby de jogar video games pra aliviar um pouco o estresse e até a deprê - na verdade herdei esse hobby da adolescência e acho que os sentimentos meio depressivos também. Tenho ps4 que mal jogo hoje em dia, mas ainda me divirto um pouco no pc com uma galera muito massa no lol kk. SIM. 27 anos jogando ainda League of Legends. Mas voltando... pra piorar um pouco, tenho de certa forma uma atração, ou sei lá um imã, pra garotas que são bem peculiares, digamos assim.
O meu primeiro contato na adolescência que talvez pudesse ter rendido um relacionamento foi com uma garota que conheci no Tinder. Eu deveria ter uns 17 anos mais ou menos. Nem tinha entrado na faculdade. Ela era gata e inteligentíssima, mas não me recordo o nome dela. Sente o drama: depois de semanas conversando e praticamente se descobrindo quase que nascidos um pro outro, ela me revelou que fazia tratamento para câncer e já faziam anos e mais anos na luta. As fotos dela eram de peruca, sabe. Tanto que depois de semanas ela começou a me mostrar as fotos já carequinha. Ela morava no interior e vinha de tempos em tempos aqui pra cidade fazer o tratamento dela. O namorado dela a deixou depois dessa bad trip. Enfim, um negócio pesadíssimo. Quase como A culpa é das estrelas. : O tempo passou, coisas aconteceram, a vida foi entrando numa velocidade frenética. A faculdade chegou, as provas, os semestres, os estágios, a rotina maluca e simplesmente fomos aos poucos deixando de nos falar e eu simplesmente não sei o final dessa história. Mas me arrependo quase que amargamente de não ter ido conhecer ela pessoalmente independente do desfecho.
Na faculdade, me apaixonei por uma garota. Mas nem vou me alongar muito. A thread da facul: depois de anos estudando juntos, me declarei pra essa garota e para minha surpresa uma amiga nossa em comum também fez a mesma coisa. A garota da história é bi e eu tinha total consciência sobre isso, mas só fiz o que meu coração mandou. Enfim, esse negócio não foi nem pra frente e nem pra trás. Nem eu e nem a nossa amiga em comum ficou/namorou essa garota. Mais uma vez o tempo foi passando e passando... até que terminei a faculdade e até onde tive notícias, hoje a garota que eu era apaixonado está namorando um cara aí. Enterrei esse amor e deixei o tempo cumprir o papel dele. Aconteceram outras coisas na faculdade também entre eu e uma outra miga, mas nem vou comentar pq não vem ao caso, simplesmente não era para ser e pronto e o pior é que até transa sem camisinha rolou kk #medo, mas calma que teve pilula e teste após isso. Então, nada de filhos não programados. Amém.
Após a facul e agora sim em um tempo mais recente. No trabalho, há uns dois anos atrás descobri que uma garota era perdidamente apaixonada por mim. Isso era novidade pra mim que já estava acostumado só com amor não correspondido, mas o drama aqui é que eu simplesmente não sentia a mesma coisa por ela. Olha só que ironia, não? Isso é foda, pq eu sabia como era gostar de alguém e isso não ser recíproco. Mas enfim, a garota foi demitida e com a demissão acho que foi-se qlq esperança de se construir algum amor - isso para os que acreditam que esse trem é construído tijolinho, por tijolinho. Eu só simplesmente não sei como funciona, desculpa.
Há seis meses atrás ou até mais, meu coração resolveu bater mais forte por alguém mais uma vez. Mais uma coisa que simplesmente não sei o pq diabos acontece, mas já aceitei que a vida é assim. Ela é uma colega de trabalho. O tempo passou, ficamos íntimos, conversamos muito, mas muito mesmo sobre absolutamente tudo. Literalmente tudo. A pandemia chegou e até hoje estamos de home office :p. O drama aqui é que eu resolvi me declarar para ela. Abri o jogo. Coloquei as cartas na mesa e joguei para ver o que iria dar. Como resposta tive um surpresa e um desagrado ao mesmo tempo. A surpresa foi em saber que ela se preocupa comigo tanto quanto eu me preocupo com ela, mas amigos... o sentimento que temos um do outro é bem diferente. Infelizmente! Ah e o drama aqui não vou entrar em muitos detalhes, mas a thread só não chega a ser pior do que a minha primeira história e a segunda. Talvez seja pior que a segunda. Envolve uma infância bem conturbada da parte dela, abusos do pai e até relacionamentos abusivos de ex. Mas como disse, não vou entrar em detalhes. Enfim, essa semana tive a noticia de que ela está com um cara ai e é isso, amigos. Mais uma vez quebrei-me em mais um monte de pedaços antes mesmo de saber o que é um relacionamento.
Agora assim, sabe o que é o pior de tudo? A sensação de baixa-autoestima que você acaba criando e acho que até uma certa ansiedade/nervosismo ou sei lá o que. Um sentimento quase como: qual é o meu problema? Será que eu não sou uma pessoa interessante? Estou fora do padrão do que costumam encontrar por ai? Enfim, neuroses que nem vale a pena perder tempo pra não cultivar bad trips. O tempo só vai passando e não há nada que eu possa fazer a respeito a não ser aceitar que as coisas são como são e pronto. E que simplesmente não sirvo para relacionamentos. Talvez isso me conforte de alguma forma.
submitted by kriskastro to desabafos [link] [comments]


2020.09.07 20:56 soulandthesea acho que ter levado um pé na bunda foi a melhor coisa que me aconteceu

então, meu namorando de 2 anos terminou comigo faz duas semanas.
e doeu (dói ainda, pra falar a verdade). mas ao mesmo tempo eu to tão mais... tranquila, calma, em paz. ele me estressava, me dava ansiedade. o apartamento que a gente dividia agora é só meu, e não tem mais sujeira e lixo dele em todos os cantos. agora tá tudo limpinho, cheiroso, bonito. do jeito que eu gosto.
comprei um sofá novo e umas pinturas pra parede. transformei o escritório dele em um walk in closet pra mim. durmo com meu gato no meu travesseiro, coisa que ele nunca deixava porque não gostava de bicho na cama. posso fazer xixi com a porta aberta sem ter vergonha. tá sendo ótimo.
nunca mais vou namorar alguém que não "conseguia ver um futuro comigo". nunca mais vou me fazer menor pra não intimidar homem. aprendi o meu valor, sabe. minha terapeuta quase bateu palma quando eu disse que a gente terminou e não ia voltar.
to saindo bastante com amigos e acho que vou começar a fazer aula de italiano. tenho ido bastante a academia e até uns problemas autoimunes de saúde que eu tenho tão melhorando porque não tenho mais estresse. que sorte a minha sair desse relacionamento antes que ficasse mais sério e eu me machucasse ainda mais.
adoro esse sub porque moro no canadá há 12 anos e meu ex-namorado não fala português (e eu sei que ele lê e dá upvote em todos os meus posts). vou ficar bem e sarar e to animada pra uma vida focada em mim, sem viver pros outros :)
submitted by soulandthesea to desabafos [link] [comments]


2020.08.30 15:46 Luckman28 Decepcionado: Várias decepções com ela como namorada e agora mais uma com ela sendo Ex

Conheci uma mulher cerca de 4 anos atrás e no momento em que a conheci percebi que queria algo sério... Além de ser gentil, bem humorada e muito bonita, ela fazia eu me sentir bem e querer tê-la por perto, porém mal sabia eu que eu estaria entrando em um namoro onde eu seria a pessoa que sofreria de um relacionamento abusivo sem nem perceber que era abusivo e agora após me libertar disso, a pessoa continua a me decepcionar.
[Resumo (quem quiser ver as decepções é só pular o textão)] Ficamos juntos durante quase 3 anos, iniciando namoro 1 mês após termos nos conhecido (maio/2016 até dezembro/2019)... Na época que eu a conheci fiquei cego, deixando de lado relacionamentos com amigos de longa data, cortando laços com as pessoas que eu estava ficando e inclusive me afastando de minha própria familia... Tenho 28 anos, não me considero feio, sou formado, pós graduado, fluente em inglês, tenho carro sedam do ano, apartamento, sou músico com formação, acho que sou esteticamente bonito, trabalho em uma startup tendo um cargo de confiança e um salário bem acima da média... porém eu não ligo para nada disso, apesar de ser algo para me gabar, poucas pessoas sabem dessas coisas que alguns consideram qualidades, e não, não sou filho de papai, sou da periferia e batalhei muito para chegar onde estou, enfim.
Durante o início do namoro tudo eram rosas, até que as primeiras brigas e discussões começaram a acontecer e eu vi quem realmente ela era... Resumindo bastante o que rolou: já fui agredido, ela era extremamente ciumenta, tinha que vê-la todo dia da semana, recebia xingamentos, ela dizia coisas para me ferir de propósito, extremamente criticista, mentirosa e manipuladora... Eu praticamente virei um capacho dela. Ela não possui muitas condições financeiras e eu por ja ter conquistado uma certa estabilidade a ajudei e de diversas formas: de meia, eletrodomésticos, pagar faculdade e dar celular até viagens internacionais (sem cobrar 1 centavo dela), podem imaginar quaisquer outros mimos, dentro desses parâmetros... E não fiz para contar ao mundo, fiz porque a amava e queria que ela tivesse o maior conforto do planeta e ficasse feliz.
[decepções] Durante o namoro as decepções que acumularam giram em torno de ela ter mentido várias vezes, descobri através de um amigo que ela mantinha contato e enviava mensagens e fotos a ex namorados (um dos motivos que levaram ao término), descobri também que aparentemente só eu amava nesse relacionamento, que o motivo de ela estar comigo era puro interesse e porque para ela o namoro era cômodo.
Agora nessa pandemia ela voltou a ter contato comigo, me mandando mensagens constantes dizendo que queria voltar, aparentando ter mudado, pedindo desculpas e tudo mais, porém ontem eu descobri que ela está namorando há um bom tempo e mesmo assim ela tem agido com o atual dela da mesma forma que agiu durante o nosso namoro... Simplesmente perdi meu chão em saber que ela estando já com alguém ela tem me enviado mensagens querendo voltar, além de ter me pedido dinheiro emprestado (não emprestei), pedindo conselhos e me chamando para sair!!! O pior de tudo isso é que ela não me falou que está namorando com alguém ou seja estava querendo me usar, está usando outra pessoa e ninguém estava sabendo de nada!!!! (Agora eu estou, o cara lá eu não sei)
É triste saber que alguém dessa forma existe e mais triste ainda é por eu ter me envolvido com alguém assim.
submitted by Luckman28 to desabafos [link] [comments]


2020.08.28 02:43 nevergoodatnames Desespero

Sempre pensei que todos meus problemas eram reais. Eu me sentia mal por não ter emprego, por não ter dinheiro, por não ter um carro, por não ter uma pessoa ao meu lado, etc. Sempre achei que todas as minhas infelicidades vinham de fora, mas hoje percebo que sempre vieram de dentro.
No ano passado, e em muitos anteriores, sonhava com a vida que levo hoje. Atualmente sou concursado, por esse motivo tenho um pouco mais de estabilidade que outras pessoas, vivo em uma cidade maravilhosa e finalmente tenho minha própria casa. Tenho um bom carro, algum dinheiro para guardar e estou há dez anos namorando uma pessoa incrível.
Parece tudo ótimo, mas hoje eu estou exatamente no mesmo buraco em que estava antes de ter tudo isso. Desespero, aperto no peito, ansiedade, pensamentos suicidas, um verdadeiro inferno. Me desencantei com o serviço... Muito problema, estresse, responsabilidades... Muita gente para cobrar e responsabilizar os outros, pouca gente para ensinar o serviço e fazer as coisas direito. Hoje minha vida se resume em trabalhar, morrendo de medo de fazer algo errado que possa me prejudicar ou prejudicar alguém, aguentar desaforos e intrigas, voltar para casa e simplesmente existir até o próximo dia de trabalho. Só vejo minha família aos finais de semana.
Não sei se alguém já se sentiu assim, mas nos momentos de maior pico dessa minha ansiedade, a ideia de terminar com a própria vida, apesar de eu amar tudo que tenho, deixa de ser só um "fantasma" e se torna algo bem... bem real. E assusta, mas conforta. Saber que posso terminar com todo sofrimento, ainda que de forma grotesca e sofrida para os que me amam, é assustadoramente reconfortante.
submitted by nevergoodatnames to desabafos [link] [comments]


2020.08.25 01:42 queimis Sofri um aborto espontâneo ontem

Só um background da minha história: Eu(F34) e meu namorado(M28) estamos juntos há menos de 1 ano, mas as coisas se moveram muito rápido desde o início.
Começamos a morar juntos em março desse ano e nos mudamos pra uma cidade completamente nova pra mim. Fui forçada (pelas circunstâncias, não por ele) a deixar tudo que eu tinha construído nos últimos 3 anos pra trás pra embarcar nessa aventura. Nos mudamos pra cidade natal dele porque ele recebeu uma proposta de emprego muito boa. Nós dois conversamos muito no início e, depois de resolvermos juntos que relacionamento à distância não era pra nós, eu decidi me mudar com ele.
Eu sempre tomei anticoncepcional/injeção ou usei DIU desde a minha adolescência. Estive em um relacionamento estável por quase 10 anos e nunca nem me preocupei com gravidez, porque, assim como a maioria das meninas, achava que estava segura com a pílula. Há cerca de 1 mês e meio atrás comecei a sentir uns sintomas estranhos e depois de 2 semanas passando mal constantemente e de muitos resultados desesperadores do Google, eu achei que estava doente e deveria ir ao médico. Dois dias antes da consulta, resolvi fazer um teste de gravidez de farmácia, só pra ter 100% de certeza que aqueles sintomas (enjoo, fraqueza, cansaço extremo) não eram por causa de gravidez. Eu tinha 99.9% de certeza que não era, só não queria passar vergonha na frente do médico. Peguei o pauzinho, abri, o xixi encostou e deu positivo. Três testes e muito choro e desespero depois, descobri que estava grávida.
No começo foi um choque. Os dois completamente desnorteados. Depois de uma longa conversa, resolvemos manter a gravidez (graças a Deusa moro em um país em que posso fazer essa escolha livremente). Os dias foram passando e a gente foi amando cada vez mais aquele ser que estava se desenvolvendo dentro da minha barriga. Contamos pra família, todo mundo ficou super feliz. Começamos a planejar o quarto, economizar grana, receber pequenos presentes de amigos. Pensamos até em possíveis nomes pro bebê. Até que as coisas começaram a ficar estranhas. Eu comecei a ter um sangramento que pra mim - apesar de todo mundo dizer que sim - não era normal. Fui no médico, a resposta que eu tive foi a mesma do Google: “é normal ter sangramento no primeiro trimestre da gravidez.”
Voltamos pra casa, vida que segue.
No sábado comecei a sentir cólicas, mas também achando que era tudo normal, fiquei em casa, só fazendo repouso o máximo que dava. Até que no domingo, eu estava deitada e comecei a sentir uma dor descomunal na barriga. Senti um pouco de sangramento descendo, então corri pro banheiro. Quando eu sentei no vaso, foi como se tivesse aberto uma torneira dentro de mim e uma quantidade enorme de sangue e pedaços de tecido começaram a sair. Naquele momento eu soube que estava perdendo meu bebê.
Foi o pior momento da minha vida.
Corremos pro hospital, o sangue jorrando de dentro de mim enquanto eu gritava de dor. Meu namorando acelerando e cortando todos os sinais. Chegamos no hospital e depois de muito remédio pra dor e muitos exames, a médica finalmente veio falar o que a gente já sabia: eu sofri um aborto.
Eu não consigo nem explicar o que senti na hora e o que ainda estou sentindo. É uma mistura entre dor, ódio e culpa que não me deixa em paz por nenhum segundo. Acho que tenho mais ódio sabe? De um Deus que nem sei ao certo se existe que todo mundo me diz pra confiar, mas que prega esse tipo de piada maligna nas pessoas dessa maneira. Eu estava bem antes de ficar grávida, nem pensando em ser mãe pelos próximos 2 anos. Aí veio assim, sem planejamento, no meio de uma pandemia, mesmo eu tomando os cuidados devidos, só pra depois arrancar de mim sem nenhuma explicação? Quem faz esse tipo de coisa? Não consigo imaginar um Deus do amor fazendo esse tipo de coisa doentia.
Meu namorado está do meu lado o tempo todo, me apoiando, mas eu sinto que eu deveria ser forte em alguns momentos, porque ele também está sofrendo. Mas eu não quero e nem consigo ser forte. Só quero deitar na cama e chorar 24 horas por dia.
E agora eu estou aqui nessa cidade que não conheço ninguém, sem minha família ou nenhum amigo por perto pra me dar um abraço, com um buraco imenso no coração e um útero vazio que não para de sangrar.
submitted by queimis to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 19:05 New_File2351 A depressão destruiu a minha vida. Não deixe que destrua a sua também

Saí de dentro de uma caverna pra escrever esse post. Aparentemente tem muita coisa acontecendo que vai me abafar, mas postarei mesmo assim,
Sofro de depressão desde a minha infância e a minha vida foi marcada pelo completo vazio. É difícil explicar para as pessoas o que é esse vazio, pois sempre estão fazendo alguma coisa. Eu nunca fiz nada e é sobre esse nada que quero falar.
Nunca tive amigos ou alguém com quem pudese conversar. Também nunca interagi com as pessoas pela internet. Na escola eu ia embora logo e não interagia com ninguém. Não fiz atividades fora da escola. Nunca tive nenhum relacionamento, sequer beijei alguém durante toda a minha vida. Também nunca trabalhei nem continuei os estudos.
A única coisa que fiz na vida foi uma faculdade e nem sei como, pois eu quase não frequentava, não fiz pesquisa, não tive bolsas, nada. Eu fazia as provas e ia pra casa. Quase não conheci ninguém, nunca fui a nenhum evento com colegas de sala, nada.
Quando falo em depressão, muita gente deve imaginar uma pessoa triste, mas que faz as coisas, pois ouço muitas histórias de pessoas com depressão que viajam, namoram, fazem muitas coisas. Não é isso o que aconteceu comigo. Ao longo desse tempo eu mal tive ânimo ou energia para nada, por muitos momentos me vi no chão, sem conseguir sair do lugar, como se meus músculos não respondessem aos meus movimentos.
Eu demorei muito pra receber um diagnóstico e fazer tratamento, porque minha família achava que era tudo frescura minha, que eu era preguiçoso, apático e que não gostava de fazer nada. Com isso fui perdendo muitos anos de vida.
Venho fazendo tratamento, já tomei quase toda classe de medicamento possível, tudo sem resultados. Já fui por diversas vezes a psicólogos mas não fazem nada. Tudo foi em vão e só perdi ainda mais tempo.
Hoje eu tenho 27 anos e perdi completamente a minha vida. Você que está lendo pode até dizer que ainda estou jovem e posso fazer muitas coisas, mas não é a mesma coisa. Eu não posso vivenciar o que é ser uma criança brincando com os amigos, um adolescente namorando, um adulto jovem fazendo pesquisas na faculdade, estágio, iniciando uma carreira. Eu não posso vivenciar nada disso. No máximo eu posso vivenciar o que é ser uma pessoa mais velha "correndo atrás".
O que me resta nessa vida? Vivi a vida toda como um animal de estimação sem nunca fazer nada. Eu não tenho o que fazer ou pra onde ir. Você que está lendo isso deve ter dificuldades pra entender o que é o completo vazio. Esse vazio nos destrói por dentro até que ficamos igualmente vazios, carcaças ambulantes e sem vida. Eu nunca vivi.
O que farei não será um suicídio, pois só morre quem está vivo. Eu já morri há muitos e muitos anos, só esqueceram de me enterrar. O que farei será apenas finalizar essa tarefa.
Se você que está lendo isso tem sinais de depressão ou se identifica com qualquer coisa que escrevi, não deixe que a depressão destrua a sua vida também. Procure e faça todo tipo de tratamento que puder, enquanto é tempo.
submitted by New_File2351 to brasil [link] [comments]


2020.08.17 02:59 gimme-that-potato Uma das melhores decisões que tomei foi começar a tomar remédio para depressão

Olá, meus queridos.
Como o título sugere, venho aqui compartilhar minha experiência, pois acredito que possa acabar ajudando alguém aqui. No mais, vou poder pôr algumas ideias em ordem e poder dar uma desabafada. Tentarei ser breve, mas sei que não vai rolar rs, e acredito que meu texto não será tão linear.
O negócio é o seguinte: nunca fui apaixonado pela vida, de modo geral. Sempre fiz minhas coisas e tudo mais, mas essa tendência já me fez ficar para baixo (talvez algumas vezes depressivo) em algumas partes de minha vida. Nada disso me impediu de viver normalmente, sentir alegria, felicidade, paixão, correr atrás do que gosto, etc.
Acontece que ano passado estava em uma época braba. Havia terminado a faculdade, saído do emprego para prestar um concurso que não passei, e estava desempregado. Porra, estar desempregado é foda. A sensação de ficar em casa sem produzir é péssima.
Chegou uma hora que quis me cortar. Nada de suicídio, e nunca acreditei que pudesse fazer isso (apesar de estar com a constante sensação de querer nunca ter nascido), mas não deixa de ser um sintoma bem preocupante. Quando comecei a me dar uns pequenos cortes (escondidos), entendi que era hora de voltar pra terapia. Voltei para a mesma psicóloga que conheço há uns anos e confio bem.
Cabe aqui fazer um parênteses sobre depressão: há vários jeitos de melhorar esta doença. Contudo, tem um estudo recente que analisou a mistura entre dois tratamentos variados (ioga com psicólogo; meditação com psiquiatra; prática de esportes com meditação; etc.), e a melhor combinação de tratamento encontrada foi: acompanhamento psicológico junto com psiquiátrico. Não significa que tem que deixar outros tratamentos de lado, mas essa foi a melhor fórmula comprovada para combater.
Outra coisa: se você quer buscar um psicólogo, o que super recomendo, não importa a linha que ele ou ela segue. Freud, Lacan, Jung... nada disso importa. São ferramentas elaboradas para chegar em um mesmo objetivo. O que importa é você encontrar alguém que você vá com a cara. Alguém que você confie em desabafar. Não adianta conversar com um psicólogo pica das galáxias se você não se sente à vontade com ele.
Enfim. Começando a terapia, comecei a perceber diversos outros sintomas. Já não estava com a mesma concentração de antes. Me perdia no meio de frases. Estava me desconectando do mundo. Até atividades mais prazerosas estavam soando trabalhosas ou cansativas demais para mim. Meu prazer em coisas comuns, como comer algo bom, estava diminuindo. Foi a primeira vez que minha psicóloga sugeriu eu procurar um psiquiatra para me ajudar.
De início me senti mal, pois nunca tomei remédios para a cabeça. Mas depois veio um certo alívio: eu simplesmente estava doente, como uma gripe, e talvez precisasse só tomar um remédio. Você tem ideia de como é um alívio entender que sua mente te prega peças, e o motivo de você estar mal pode ser simplesmente algo fora de seu controle? Como uma mera desregulação hormonal, ou falta de algum receptor no cérebro, algo assim.
Falando com o psiquiatra, ele me passou um remédio relativamente novo, que, a grosso modo, estimula a produção de receptores de certos neurotransmissores na minha cabeça. Em outras palavras, ele estimula o cérebro a "captar mais prazer", ao invés de criar o prazer em si (como uma droga ilícita geralmente faz). Tanto é que é um remédio de tarja vermelha, e que não vicia (apesar de dar efeitos colaterais).
O início do tratamento foi bem ruim. O primeiro efeito colateral era a sensação de estar sonhando, ou na beira de uma grande ansiedade. Como se eu estivesse caindo, mas aquela sensação de "estar caindo" tivesse durando minutos. Isso me fez aprender a deixar rolar, sabe? Eu sabia que era um efeito do remédio, então não podia fazer nada, senão deixar acontecer, seguir com a maré. Eu diria até que eu pude aproveitar minha ansiedade. Sentia que era o remédio que me causava essa aceleração, mas que era ao mesmo tempo ele que me possibilitava ter esse "freio".
Outro efeito ruim foi o sono. Na verdade era mais uma vontade incontrolável de bocejar em si do que sono.
Como um outro possível efeito era falta de libido, óbvio que nos primeiros dias a primeira coisa que fui testar foi a masturbação. Confesso que foi bem difícil chegar no orgasmo, parecia que eu ia criar fogo com as mãos hehe. Por outro lado, um tempo depois minha libido até melhorou, pois minha depressão me fazia não querer buscar sexo. Minha namorada me apoiou durante tudo isso e entendeu, quando conversamos, que o sexo poderia piorar, o que felizmente não ocorreu.
Depois esses efeitos melhoraram (acredito que em até 2 semanas). O de sono e bocejo passou por completo, assim como o da ansiedade. Eu sentia que o remédio era um freio para minha ansiedade. Se eu fosse um carro, era como se o remédio colocasse uma trava na velocidade máxima. Sentia ele me ajudando.
Uma coisa que demorou para melhorar foi meu fluxo intestinal. Estava acostumado a ir ao banheiro todos os dias, às vezes até duas vezes (aqui cabe ressaltar que sou homem e, quando comecei a tomar o remédio no ano passado, estava com 26 anos). O remédio me fodeu com isso. Comecei a passar uns dias sem ir ao banheiro, ou ficar totalmente desregulado. Hoje, meses depois, isso já melhorou 100%.
Umas semanas depois comecei a ter um pouco de insônia, que até hoje vem e volta, mas nada que me atrapalhe.
Mas nada disso chega perto ao que o remédio me proporcionou: a capacidade de sentir prazer banal, no dia a dia, como ao ver um pôr-do-sol, ouvir uma música foda, ou comer algo gostoso. Hoje nem parece que eu tomo remédio. Faz parte da minha rotina: eu acordo, tomo meu comprimido, meu café, e sigo com o dia. Às vezes penso que deveria ter buscado um psiquiatra antes.
Claro que o tratamento é temporário. Eu sinto um pouco de falta de poder "curtir mais minha angústia" quando não tomava remédio, pois isso me ajudava a compor música ou escrever algo. Hoje me sinto melhor sabendo que estou mais pronto para terminar o tratamento (que demora no mínimo 6 meses, se não me engano até 2 anos). Também sei que, se voltar a ficar mal daquele jeito, tenho mais ferramentas para usar ao meu favor.
Se você está mal, não tenha vergonha de procurar um psiquiatra. Não coloque barreiras que não existem. Se você estivesse com febre, você iria no médico. Pode ser que sua depressão seja simplesmente uma reação física de seu corpo, e não uma mera falta de vontade (aliás, acho que nunca é, pois vontade de estar bem todo mundo tem). Até porque, uma pessoa com a vida 100% boa pode sofrer de depressão. Como falei, pode ser por algo idiota, como uma desregulação de seu corpo, algo hormonal, etc.
Pense nos remédios como uma rodinha extra numa bicicleta: ele vai servir de apoio para seu cérebro reaprender a andar sozinho, e, então, quando estiver pronto, vai poder andar ser as rodinhas.
Uma questão é que eu dei sorte. Um dos meu melhores amigos demorou uns bons anos para encontrar o remédio certo para ele. Ele tentou de tudo, várias terapias, e finalmente achou esse remédio (que é o mesmo que o meu, por coincidência), junto uma terapeuta de confiança. O cara até conseguiu assumir ser gay e hoje está namorando e feliz em um relacionamento, o que me deixa muito feliz.
Quando compartilhei essa história com outro amigo, ele confessou que estava tomando remédios para a ansiedade. Ele disse que era incrível poder sentir o prazer do presente ao andar de ônibus.
Comecei um trabalho novo em janeiro, e venho enfrentando altos e baixos por conta do isolamento da pandemia (não estar fazendo exercício vem ferrando com meu corpo). Mas sei que hoje tenho mais recursos para me cuidar. Ainda tomo remédio e faço acompanhamento psiquiátrico, e parei com a terapia pois não queria fazer online, embora eu ache que volte logo menos e faça por videochamada mesmo.
Enfim, espero ter ajudado alguém, ou ao menos estimulado a empatia, caso conheça alguém que esteja depressivo, ou com receio de começar a tomar remédios. Sempre fui muito mente aberta com muita coisa, inclusive terapia e psiquiatria. Mas ainda dava uma julgada com quem "parecia bem" e mesmo assim estava tomando remédio. Hoje vejo isso com mais empatia, pois nem todo mundo que parece bem está de fato bem. Quem sou eu para saber o que o outro sente, quando às vezes nem eu mesmo sei dizer o que sinto...
Se você tem algum amigo com depressão, ofereça seu apoio. Não julgue. Quando puder, insista na amizade. E não vomite suas próprias histórias. Não fale que "é falta de vontade", ou que é "frescura", ou que você conhece um "óleo essencial" para depressão. Às vezes a pessoa só precisa de alguém para desabafar, ou ao menos saber que você está lá para ela (como eu estive para esse meu grande amigo). Apesar de a tristeza poder ser um sintoma da depressão, depressão não é tristeza. Depressão é o oposto de vitalidade.
Por fim, deixo como dica de leitura o que acredito ser uma espécie de "guia definitivo" para a depressão (só não digo "definitivo" pois é uma área da ciência em constante evolução, e, CARAMBA, como eu sou grato por nascer nesta nossa época e não há 50 ou 100 anos, quando havia muito mais estigma e muito menos remédios...). Trata-se do livro O Demônio do Meio-dia, de Andrew Solomon. É um documento jornalístico que conta a história, em primeira pessoa, do escritor e sua luta para entender a própria depressão e a Depressão em si como doença. Nele há muito sobre questões emocionais, como os diferentes remédios funcionam, como a depressão afeta diferentes grupos de diferentes formas, etc. Foi o que me ajudou para ganhar conhecimento e lidar melhor com esse meu amigo (e, depois, lidar comigo mesmo). Esse mesmo jornalista faz um TED Talk muito bom aqui.
Obrigado a quem teve o saco de ler até aqui. Não sei se vou responder todas mensagens, mas tentarei. Se tiverem alguma dúvida, será um prazer tentar ajudar na medida do possível. Um grande abraço e tenha uma boa noite!
Edit: o remédio é Venlafaxina.
submitted by gimme-that-potato to brasil [link] [comments]


2020.08.12 18:13 psicopatola Room mate e namorado sem noção

Oi gente. Tenho 25 anos e estou morando com uma menina que conheci através de amigos desde janeiro. Vamos chamá-lo Bruna. No começo eu e Bruna nos dávamos super bem, conviviamos super bem, não tinha porque discutir. Em fevereiro finalmente consegui me livrar de um relacionamento em que eu sempre fui muito trouxa, muito mesmo. Desde então eu estou numa fase de viver minhas coisas, trabalhar, ver o que eu gosto e o que não gosto e a Bruna tem sido super parceira nesse sentido. O problema é que Bruna namora o Neymar. Esse relacionamento dos dois acontece há quase três anos, de uma forma um pouco bizarra. Bruna sempre quis namorar Neymar, mas ele parece que nunca quis muito, então eles começaram a ficar e um dia ela avisou que eles estão namorando. Nesse tempo de relacionamento, ela não conheceu ninguém da família dele, não sabe nem o nome de nenhum parente dele, não conhece nenhum amigo, nada. Ela nunca foi na casa dele. Descobriu onde ele mora porque um dia em uma conversa ele deixou escapar algo que dava pra entender onde era a casa dele. Então ela jogou esse endereço no Google e viu a casa dele pela vista do Google maps. Ele já foi casado com uma mulher e tem uma filha de 5 anos. Direto Bruna descobre que menino Ney viajou com a ex esposa e a filha pra um casamento da família da ex esposa. Ele não conta nada disso pra ela e ela não se sente autorizada a perguntar, pois tem medo de perder ele. Onde eu entro nisso tudo? Agora na pandemia, ele tem vindo aqui em casa uma vez por semana porque ele trabalha aqui perto. Ele fica tipo uma ou duas horas, entao ele diz que não compensa tomar banho e nem troca de roupa. Fico igual louca passando álcool nos lugares em que ele encostou. Me incomoda demais ver ele vindo aqui em casa, sendo mega irresponsável, colocando Bruna e euzinha em risco. E além disso, como comentei ali em cima, sai de um relacionamento em que eu era mega trouxa tem muito pouco tempo. Ver alguém sendo trouxa desse jeito, tão perto assim, me lembra coisas muito ruins que já vivi. Não adianta conversar com ela. Ela vai "lutar pelo relacionamento". O que eu faço? Já tô ficando num ranço absurdo de Bruna e menino Ney
submitted by psicopatola to desabafos [link] [comments]


2020.08.12 03:29 MonsterKID-P Cansei de me salvar. Quero que alguém me salve.

Olá! Sou o Lucky, alter do OP (a gente tem Transtorno Dissociativo de Identidade). Venho trazer a vocês um desabafo do OP (que está seguro lá dentro)...
Estou cansado e tudo. Dessa vida. Vou me formar em Serviço Social. Uma graduação inútil para o mercado de trabalho. Me formei nisso como condição para assumir uma empresa familiar. A empresa estava indo bem e já contou com centenas de milhares de reais em lucro anualmente. Achei que seria uma maravilhosa ideia. Pensei, essa é minha chance de brilhar. Recebi a oportunidade e escolhi o curso menos pior oferecido pela minha mãe. Isso foi em 2015.
Primeiros 6 meses eu não recebi nada, afinal eu morava com minha mãe, tinha carro, etc. Depois comecei a receber salário mínimo. Tentei sair de casa, não deu muito certo. O que constava no meu imposto de renda não batia com o que entrava na minha conta (quem me dera receber 180 mil por ano). Pois bem, a empresa começou a sofrer impactos da crise de 2016 e em 2018 a empresa não teve lucro e 2019 a empresa fechou o ano com 400 mil em dividas e saldo negativo. Todas as minhas tentativas de "fazer o negócio andar" não foram aceitas e eu não tive muito controle sobre a empresa. Enfim.
Procuro emprego ha 2 anos e tenho dividas de 60 mil reais deixadas pelo meu ex. Atualmente não ganho nada na empresa, mesmo trabalhando até 14 horas por dia para fazer uma recuperação financeira e tentar reverter o quadro.
Minha experiência não conta para nenhuma empresa pois não tenho formação em administração, direito, contabilidade, etc, etc. Já entreguei milhares de currículos e as respostas são sempre essa dai.
Sempre sonhei em ser sequestrado por algum milionário e acordar em um Iate (bem coisa de filme), desde criança (antes de ser adotado) quando eu passava fome, dormia no chão, era torturado fisicamente e abusado de todas as formas existentes na lei (e claro, minha mãe era traficante). Mas não vem ao caso.
Parece que todas as pessoas que eu conheço (inclusive quem fez serviço social comigo) estão se dando bem na vida. Parece não. Estão. Sim, o que vemos no Instagram não é tudo 100% real, mas ver pessoas que você conhece se tornar influencers e comemorar comprar sua primeira Range Rover Vogue (700 mil) com dois anos de trabalho é surreal. Ou as que se casaram com algum cara rico tipo aquela colega de classe que morava na Residência Universitária e conheceu um estudante de direito que o pai tem mais de 10 concessionárias??? E o que foi mais irônico? Ela engravidou e o pai dele comprou uma mansão de 2 milhões para eles, e a minha empresa foi contratada para prestar serviço nessa casa que estava sendo reformada e eu de curioso (já estava namorando essa casa há meses na OLX) fui lá ver meus funcionários trabalhando (e me maravilhar com aquela arquitetura maravilhosa) e ela chegou lá de motorista e Porsche Cayenne. Ela me olhou, eu olhei para ela. Ela me perguntou como eu estava, quanto tempo, etc. Sai de lá chorando.
Porque não pode acontecer isso comigo? Estou cansado de apagar fogo e ver tudo se desfazendo na minha frente. Se não recuperar a empresa. Acabou. Não tem dinheiro. Não tem bens. Como vamos nos alimentar? Onde vamos morar?
Porque ninguém me adota? Me salva? Porque só acontece ao meu redor?
Já tentei me matar, muitas vezes. Muitas vezes, ao longo de vários anos. Mas (novamente irônico) eu sobrevivi (óbvio) mesmo quando (de acordo com profissionais) não tinha como ter sobrevivido. Eu sou tipo aquela pessoa que pula do 20 andar e sobrevive.
Porque a vida insiste em me manter vivo? Já não sofremos suficiente?
Porque minha vida não pode ser tipo aquele filme Pretty Woman?
Já tentei sites de relacionamento (há muitos anos) e não funciona. Sou um 5/10. Não sou bonito nem feio. Nem como garoto de programa sou aceitável (pessoal fala 20cm é tudo que eu quero mas você é feio, não é bombado, etc).
Enfim.
Alguém me salva? Ou me sequestra?
submitted by MonsterKID-P to desabafos [link] [comments]


2020.08.04 04:44 DocDepamine Meu melhor amigo começou a namorar e outro tá apaixonado

9 anos de amizade e ele transformou uma amizade lá de 2017 num namoro faz quase um mês, outro tá de flerte pra lá e pra cá com uma mina que conhece há anos, uma mudança bem grande pra quem tá solteiro desde o começo da vida. Como qualquer bom amigo, eu tô feliz demais pelos doido e não desejo nada além de que sejam as mulheres das vidas deles. Mas caralho, o cara solteiro sente aquele aperto né?
Amo os dois demais e posso ficar dia em cima de dia conversando com eles que não chego nem perto de enjoar, mas eu fico pensando: será que isso vai afetar muito nossa amizade? Que afetar, óbvio que vai, mas será que vai ser de um jeito agressivo, será que vai ser de boa ou será que nem vai parecer que mudou? É um bagulho que martela um pouco antes do cara ir dormir, principalmente depois de ouvir do meu primo que o melhor amigo dele mudou da água pro vinho desde que começou a namorar. Conheço a namorada e a paixonite dos caras e são super gente boa, mas ainda fica essa batida no cantinho da mente.
E também bate aquela carência, né? Eu não tô apaixonado em ninguém, tô de olho em ninguém, (obviamente) namorando ninguém, mas é foda ver todo mundo se amando e sendo amado enquanto nem pretendentes se tem, tirando a intensificação desse sentimento por vários por cento graças à quarentena. Falei com um amigo pegador e ele me falou de só começar a conversar com qualquer uma e tal, mas acho esse bagulho ideia errada e não sou nada fã dessas relações de duas semanas, que se for pra ser alguma coisa que seja uma coisa que pelo menos um futuro eu possa ver.
O negócio que eu mais ouço quando falo sobre estar solteiro é auto-suficiência e se você ia comentar isso, valeu pela preocupação mas nesse quesito eu tô de boa. Eu me acho um cara bem de boa, gosto do cara que eu sou e já me acostumei com essa solteirice crônica faz tempo, mas era (bem) mais fácil quando os amigos também tinham. Agora tem aquela mini ansiedade prejudicial, aquele sentimento de ter ficado pra trás amarrando o cadarço enquanto o pessoal foi andando, aquela coisa de "rapaz, será que eu só não bati santo com ninguém ou tô só de cu doce mesmo?"
Ao mais, tô bem de resto e quero só felicidade pros meus casinhas, mas pra mim também que todo mundo tem que ser meio egoísta ás vezes.
submitted by DocDepamine to desabafos [link] [comments]


3 ANOS NAMORANDO UM GRINGO criança namorando pelo muro ALICE BRAGA E BIANCA COMPARATO ESTÃO NAMORANDO EM SIGILO HÁ TRÊS ANOS! (2020) Homem de 31 anos que namora mulher de 91 diz ter fetiche por idosas NAMORO HA 3 ANOS MAS GOSTO DE OUTRO.. - YouTube 3 ANOS NAMORANDO UM HOMEM! Youtubo.com - Crianças de 9 anos Namorando. - YouTube Pedindo o papai para namorar com apenas 3 anos Su esposa murió hace 3 años. Hace unos días la encontró en ... TV Remanso - NAMORANDO MENINA DE 14 ANOS - YouTube

Namorando há 3 anos, Paula Fernandes afirma: “Já me sinto ...

  1. 3 ANOS NAMORANDO UM GRINGO
  2. criança namorando pelo muro
  3. ALICE BRAGA E BIANCA COMPARATO ESTÃO NAMORANDO EM SIGILO HÁ TRÊS ANOS! (2020)
  4. Homem de 31 anos que namora mulher de 91 diz ter fetiche por idosas
  5. NAMORO HA 3 ANOS MAS GOSTO DE OUTRO.. - YouTube
  6. 3 ANOS NAMORANDO UM HOMEM!
  7. Youtubo.com - Crianças de 9 anos Namorando. - YouTube
  8. Pedindo o papai para namorar com apenas 3 anos
  9. Su esposa murió hace 3 años. Hace unos días la encontró en ...
  10. TV Remanso - NAMORANDO MENINA DE 14 ANOS - YouTube

50+ videos Play all Mix - criança namorando pelo muro YouTube Build a swimming pool for under $3000, not impossible - Duration: 7:26. Gerry Wilson Recommended for you #BiancaComparato e #AliceBraga estão mantendo um #relacionamento há três anos em sigilo. Depois de várias especulações e boatos por parte dos fãs, a assessoria de Alice confirmou o namoro ... Pedindo o papai para namorar com apenas 3 anos Breno Beterraba. Loading... Unsubscribe from Breno Beterraba? ... 3:32. Lil Skies Recommended for you. New; 3:32. Suigeneris & His Ex Girlfriend Take ... Sessenta anos separam Kyle Jones de Marjorie McCool. Na verdade, não separam. Ele, de 31 anos, e ela, de 91, estão namorando há cinco anos. É um namoro liberal. Kyle tem autorização para ... Me segue no insta!! @ivctoria. This video is unavailable. Watch Queue Queue Curtiu? Se inscreva no canal e até a proxima semana! Acácio Borges, 32 anos, foi surpreendido pela PRF transportando uma menor de 14 anos de Minas Gerais para o Maranhão de forma ilegal. Segundo ele, a menina e... Su nombre es Anna Zayachkovskaya, tiene 25 años. Esta chica de belleza incomparable, fue coronada como Miss Ucrania en el 2013, pero más allá de su triunfo y... EMAIL: [email protected] Instagram: lethycia_lemos ♡ Facebook: https://www.facebook.com/lethycia.lemos.71 ♡ Email para contato: [email protected] Relatamos algumas coisas que acontecem ao decorrer do relacionamento. O seu GOSTEI no vídeo é muito IMPORTANTE! #HOTELMEISSNERHOFF #NAMORADOS #PRESENTES _____ HOTEL MEISSNER HOFF Instagram ...